segunda-feira, 2 de junho de 2008

Tudo o que temos na vida existe e a acontece porque algo leva a isso.


Nascer, por exemplo, é a introdução. As pessoas nascem por algum motivo, até porque o milagre da vida por si só já é um motivo.O milagre!


Viver é talvez o mais complicado de se fazer, pois é uma fase de desenvolvimento constante, mas quando vivida com alegria sem medo de falhar, sem medo de desiludir ou de "errar forte e feio", pode tornar-se mais "fácil" que comer um saboroso chocolate meio amargo.


Erros...
Ah erros existem para??!
Pois estes podem ter infinitas maneiras de existir, mas o propósito é sempre o mesmo...aprender. Aprender a não magoar , aprender a reflectir, aprender a amar, aprender a brincar, aprender a andar, aprender a parar, aprender a falar, aprender a perdoar, aprender a ajudar, aprender a pensar, aprender tanta coisa e mais alguma; pois nunca se aprende tudo.

A morte, aquela que vem assim apenas por vir, que ataca e leva...
Ela é simplesmente a conclusão de um texto, o final de uma longa caminhada incompleta... é algo que deixa marcas tristes e que acaba com um ponto final.


Diana Marta Roda 21/02/2008

3 comentários:

c.miguel disse...

Eu gostei. Concordo em relação aos erros, porque estamos sempre a aprender e ninguém é perfeito.

Ibraim_b disse...

Gostei do texto e concordo contigo, quando dizes que a morte é apenas o fim. Acho que não devemos pensar nesse fim e devemos viver descontraidamente.

João Carlos Costa disse...

Diana, qualquer fim pode ser também o princípio de alguma outra coisa.
Nem sempre há um final, ou mesmo um final feliz. Isso só acontece nas histórias de encantar, naquelas de príncipes e princesas que muitas vezes ouvimos na nossa infância.
E um final pode ser também uma continuação. Porque continuamos, porque devemos continuar.
É esse o nosso propósito: seguir em frente. Melhor ou pior, tanto faz. Mas ir. Insistir. E esquecer o resto.
Aprendemos, claro que aprendemos. Todos os dias. Permanentemente. É isso que nos faz diferentes e que nos torna humanos. Porque é isso que somos.
Imperfeições, todas as temos. Sem excepções. Mas é aí que reside também a nossa força, em sabermos que podemos sempre melhorar. E podemos aprender a melhorar. Fazemos isso apenas por vivermos.
Somos frágeis? Claro que somos. Mas na nossa fragilidade reside também a nossa força. A nossa vontade.
Mesmo quando não nos apetece nada.